A arte expressando nossa essência e multiplicando afetos!

29 Jul 2020

Essa semana faz um ano que tomei contato pela primeira vez com a arte do Pontilhismo. Nascida lá nos tempos do movimento impressionista, hoje é a arte de pintar ponto a ponto, formando imagens diversas. Eu particularmente gosto muito das mandalas em pontilhismo, mas existem muitas formas de se expressar através desses pontinhos.

 

Sempre gostei de algum tipo de expressão artística, ainda que nunca tenha sido muito técnica. E revisitando esse meu lado, percebo que elas surgiram em momentos em que algo meu queria se expressar. Uma época fiquei doida por pequenas esculturas em biscuit a partir de um artista incrível que conheci. Fazia a massa, coloria, criava as imagens e foi um tempo em que buscava muito minha identidade. Foi muito importante criar nessa época. Já fiz pinturas em vitrais, e presenteava pessoas queridas, me conectando com elas antes de criar. Sempre me fez muito bem atender a essa chamado de dentro.

 

Psicóloga que sou, não poderia deixar de mencionar que as expressões artísticas nos levam a estimular o hemisfério direito do cérebro, onde imaginamos, criamos, sonhamos, sentimos. E penso que parte da sensação de bem-estar vem daí – a expressão da arte nos dá a oportunidade de equilibrar os hemisférios cerebrais, já que o esquerdo é sempre o mais estimulado (lógica, pensamentos estruturados e racionais).

 

Passei alguns anos sem ter um contato mais próximo e constante com a arte. Às vezes me dava vontade de pintar e arriscava o pincel e formas abstratas. E há um ano a arte me chamou de volta, quando participei de um workshop de Pontilhismo. Me vi outra vez com as tintas, as cores e as mandalas.

 

Logo providenciei materiais e fui aos poucos aprimorando. Pintar passou a representar um tempo comigo, com o presente, esvaziando a mente.  Pintava quando podia, mas sempre que pensava que aquele era o “dia de pintar” uma enorme alegria tomava conta de mim. Fui presenteando amigos com as peças produzidas e encontrando formas de “dar vazão” ao que queria sair. Gosto muito de pensar na pessoa que vai receber e o processo parece mágico! As cores e formas se manifestam. Para mim, que sempre fui mais racional é um excelente exercício de entrega.

 

Logo que a pandemia começou e as restrições de sair foram decretadas, uma das primeiras adaptações que fiz em casa foi ter um cantinho para pintar. Tintas num cesto, e facilidade para desarrumar e arrumar tudo quando eu quisesse. E eis que de forma surpreendente uma colega, que é professora de Pós Graduação me liga e pergunta se eu vendia minhas peças. Ela gostaria de presentear seus alunos – uma prática que costuma fazer anualmente. Queria pedrinhas pintadas e uma palavra atrás. Uau...uma encomenda! Que alegria poder fazer chegar essa energia em outras mãos! Combinei como tudo seria, verifiquei material – ainda as lojas não estavam abertas. Eis que dias depois ela me pede: posso dobrar o pedido? Ahhhhh que sensação boa!

 

Com o desejo de entregar algo com a minha identidade, nasceu a Dotty – Arte Intuitiva. O nome vem de “Dot Art” nome dessa técnica em inglês. E a arte intuitiva sem dúvidas é minha forma de criar as peças, desde o início. Essa sensação de que algo passa por mim e se expressa em cores. Esse novo passo vem me incentivando a criar mais, oferecer para novas pessoas e expandir a beleza e o afeto por aí. É muito boa a sensação de entregar algo feito com carinho, sabendo que ele irá ocupar o espaço de alguém.

 

As pedrinhas ficaram lindas, já estão nas mãos da sua “primeira dona” e provavelmente serão entregues aos alunos no final desse ano (tomara!). Mas a grande presenteada por esse gesto tão bacana fui eu. Concilio atendimentos e outros trabalhos com a pintura, que tem me permitido viver essa fase em que estamos de forma mais leve, colorindo minha casa e também a de outras pessoas.

 

E fica uma dica: experimente! Brinque com as cores, com materiais, tire as barreiras que possam existir entre você a qualquer forma de expressão artística. Fica pra mim algo muito forte: a arte permite que sejamos “cabeça, coração e mãos”!  Dá pra entender a força que ela tem, não é?

 

Mariana Sartori

Psicóloga, Coach, Terapeuta,....Artista e tudo o mais que ainda virá a ser!

 

Clique para conhecer: Dotty.arteintuitiva

 

 

Share on Facebook
Please reload

Arquivo
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Procurar por Tags
Siga
  • Facebook Basic Square